sábado, 4 de outubro de 2014

TVDIGITAL.BR: 8K : Imagem alem das fronteiras do HD !!

TVDIGITAL.BR: 8K : Imagem alem das fronteiras do HD !!: A transmissão 8K é uma tecnologia muito promissora, e na ultima edição da SET EXPO 2014, eu  pude ver de perto e em detalhes o que essa no...

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

sábado, 14 de setembro de 2013

Livro "Comunicação, Tecnologia e Inovação"

Está na praça o livro "Comunicação, Tecnologia e Inovação: estudos interdisciplinares de um campo em expansão. O livro é fruto de evento realizado na UFMA pelo grupo de pesquisa Comtec , liderado por Sebastião Squirra. Tenho um capítulo no livro sobre Tecnologia, Comunicação e Ciência Cognitiva.
Sinopse
As novas tecnologias de informação têm trazido questões inéditas ao campo da Comunicação – a internet, a participação nos ambientes online, as redes sociais, o jornalismo em base de dados, a comunicação organizacional no ciberespaço.
Para enfrentar tais desafios, os pesquisadores da Comunicação, quase obrigatoriamente, têm de se voltar para os estudos interdisciplinares, dialogando com outros campos e metodologias a fim de buscar soluções para os seus problemas; e ainda, fazer isso preservando suas próprias fronteiras, mesmo quando se encontram em expansão.
O presente livro tem o objetivo de refletir, ainda que de forma parcial, alguns resultados desse esforço, por meio do trabalho de autores que, em suas pesquisas, têm enfrentado as novas questões, buscando perspectivas e olhares angulados pela percepção das grandes transformações em andamento na contemporaneidade.
A teoria das redes e dos jogos, a ciência cognitiva, as tecnologias de transmissão de dados, a televisão digital, as plataformas interativas e, obviamente, os vários desdobramentos da internet sobre a vida das pessoas e das organizações são alguns dos temas abordados na publicação.


quinta-feira, 4 de julho de 2013

sexta-feira, 24 de maio de 2013

segunda-feira, 1 de abril de 2013

TV e Internet lutam por espaço nos EUA. Brasil antecipa a mesma batalha. Isto é bom?


SÁBADO, 30 DE MARÇO DE 2013

TV e Internet lutam por espaço nos EUA. Brasil antecipa a mesma batalha. Isto é bom?


A batalha por espectro nos Estados Unidos é batalha que nos espera?

Artigo do editor chefe do magazine estadunidense Variety, Tom Johnson, de 26 de março último, reflete o plano do governo dos EUA de leiloar mais um bloco de frequências do espectro de radiodifusão com o objetivo de expandir os serviços de telefonia sem fio. 

Tal ação tem colocado a TV Broadcasting ( radiodifusão) contra a Big Telecom TV (indústria do audiovisual por Internet ) nas sessões do FCC (Federal Communications Commission) e nos corredores do Congresso dos Estados Unidos. 

Alguns dizem que o país está enfrentando uma crise de grandes proporções devido à fabulosa proliferação de dispositivos móveis, enquanto outros insistem que tais temores são exagerados. O caos abriu a porta para que haja uma supervalorização dos ativos referentes às emissoras de TV cujos proprietários, de repente, se encontram sentado sobre uma possessão valiosa

O artigo traz a baila a grande "farra de negócios" na afirmação do editor daVariety, especificamente dirigida a faixa dos canais 47 a 52 em UHF realizada, por exemplo, como aconteceu com a KTLN, canal 47, que transmitia programação religiosa a partir de San Rafael, Califórnia, e que foi vendido por US $ 8 milhões em 2011. 


O curioso é que faixas até então não mencionadas pela UIT (União Internacional de Comunicações) como recomendação para o uso da banda larga móvel começam a ser negociadas como a WMFP, canal 18 de Boston (as letras eram usadas em seu slogan: Nos somos a mídia para o povo) e que foi vendida no final de 2010, juntamente com outro canal de TV em  UHF de San Francisco  por supostos US $ 20 milhões.

As transações têm uma coisa em comum, segundo Johnson:  "As estações estão sendo compradas pelas carteiras de 'private equity' de empresas de investimento que acreditam ter projetos rentáveis de negociação não exatamente sobre seus ativos, estúdios, contratos, programação, mas relativos as frequências que ocupam no espectro radioelétrico". 

"Eles são especuladores do espectro", denuncia Tom Johnson: "que se dirigem com a uma fome desmedida sobre a fatia de frequências de bandas alocados pelo governo federal nos EUA a empresas de radiodifusão, concessões estas com garantia de proteção evitando a interferência de sinal vindo de outras plataformas em relação aos serviços de TV e de rádio abertos e gratuitos, bem como, serviços de comunicações de emergência". 

Grave, muito grave!.

O incremento destas vendas se explica com as declarações de membros do governo Obama em favor de embarcar em um plano ambicioso de aumentar a oferta de banda larga no país, que, entretanto,  não foi criado para incluir, também, as emissoras de TV que ao negociar o seu espectro em leilão poderiam  manter parte do negócio e participar, como sócias, das receitas provenientes da venda de suas concessões para as empresas de telecomunicações que explorem serviços sem fio; 

Estas estações de TV, discute-se no Congresso em Washington, também tem a opção de compartilhar espectro com as transmissões digitais (multiprogramação) ou mover-se para outras bandas de frequência   

O Congresso  dos EUA cancelou a votação da proposta de realinhamento do espectro radioelétrico no ano passado. A verdadeira tentação da administração federal é o potencial de um leilão que poderia levantar até US$ 20 bilhões, com  tais proventos sendo usados ​​para pagar por uma nova rede de segurança pública sem fio e, também,  para a redução do déficit econômico do país. 

"Claro que essa é uma maneira politicamente branda de para aumentar a receita do governo federal sem aumentar impostos", acrescenta o editor da Variety

O impulso para os estes leilões vem, em parte, do temor de que os EUA estão à beira de estourar o limite de suas capacidades de banda larga - ou o horror apocalíptico que um dia os smartphonese iPads vão ter suas telas escuras, sem sinal. 

Novamente há quem diga que existe exagero nesta profecia. O que se desejaria, pelas empresas de telecomunicações é garantir espaço no espectro radioelétrico, que todos sabem ser finito e limitado.  

A complexidade em se encontrar soluções parece ter apenas adicionado mais um elemento indigesto nesta  luta de Washington para influenciar a forma do plano de venda de espectro e sua reengenharia. 

Numa análise realizada, temos de um lado as empresas que exploram os serviços de telefonia sem fio ansiosas para ver uma transferência rápida de espectro e por outro lado as emissoras de TV que se mobilizam ferozmente diante do que entendem seja uma última oportunidade para agarrar-se às suas concessões, visando a beneficiar suas plataformas de comunicação e seus fornecedores de conteúdo audiovisual, a partir do plano projetado pelo governo federal estadunidense.

O plano poderia criar novos modelos de negócio e provocar a integração de esforços dos dois setores, radiodifusão e telecomunicações com relação à programação destes canais de TV dirigidos a diversos mercados e várias plataformas digitais. Mas não há cultura estabelecida para tanto.  

O momento marca, como já estão preconizando os espertos, uma mudança simbólica do poder de formação da opinião pública da comunicação de massa (um para todos) para o um-para-umdigital.

Será este o cenário para o Brasil, amanhã? Sabemos, na verdade o que estamos perdendo ou ganhando com tais tendencias mundiais? Teremos condições ou interesse de divulgação massiva para que estas decisões se tornem públicas o suficiente para interessar a Nação?

Para onde estamos indo?  Você sabe? Você se preocupa?

sábado, 22 de dezembro de 2012

Vejam Só..:Samsung Galaxy Note 10,1.



Vejam Só...queria um Desses:Samsung Galaxy Note 10,1...Esse Tablet acaba de chegar ao mercado. Veja nesse vídeo as principais funcionalidades e a capacidade de interação entre múltiplas tarefas. Excepcional designer tanto na beleza como no aspecto funcional.Como estudar, editar fotos/vídeos. USO DA CANETA inteligente que, automaticamente, ele assim que vc escreve  busca informações na rede sobre aquilo que você está escrevendo/anotando agilizando todas as tarefas multimídias. Multitelas, teclados variados flutuante. Ele grava o passo a passo do que você desenhou ...e dá um play demonstrativo. Animações 3D interativas. Photoshop touch. Lista de vídeos ao vivo simultâneo em uma da tela. Smart remote...compatível com quealquer aparelho smart TV

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Jornalismo digital: audiovisual, convergência e colaboração

O livro "Jornalismo digital: audiovisual, convergência e
colaboração" (Edunisc, 2011), organizado por Walter Teixeira Lima
Junior e Demétrio De Azeredo Soster, acaba de chegar da editora e já
se encontra disponível para venda
.

Área: Ciências Humanas

Subarea: Jornalismo
Ano: 2011
Páginas: 232
Formato: 14x21cm Brochura
ISBN: 978-85-7578-314-6
Código:
Preço: R$ 35,00



Sinopse


"A publicação é resultado da V Mesa Coordenada da Rede JorTec, que visou interligar os campos do conhecimento científico que envolvem Jornalismo e as Tecnologias DigitaisConectadas durante o 8º Encontro Nacional dos Pesquisadores de Jornalismo (8º SBPJor), em São Luis, no Maranhão.Sistemas computacionais, redes telemáticas, ensino, teorias e formatos de conteúdo foram os temas contidos nas discussões que delineiam novas tendências, rediscutem teorias e práticas no ensino no que tange à evolução dos conteúdos informativos de relevância social, contidos nas multiplataformas digitais conectadas viaWeb.Nos assuntos pesquisados pelos autores neste se encontra a questão da relevância informativa por meio de sistemas de recomendação que estão alterando a percepção do usuário da Web; processo de produção jornalístico do ponto de vista das teorias do jornalismo; formatos de narrativas fotojornalísticas do New York Time.com; mensuração do grau da incorporação de questões tecnológicas nas grades de graduação em Jornalismo e o ensino de jornalismo-laboratório em uma perspectiva convergente.Aos textos dos integrantes da mesa, juntam-se outros, pro duzidos por pesquisadores igualmente ligados à Rede JorTec, que fornece à publicação e aos leitores a densidade necessária para entender os impactos tecnológicos nos processos, produtos jornalísticos e seus efeitos na formação de um novo ecossistema midiático.""A publicação é resultado da V Mesa Coordenada da Rede JorTec, que visou interligar os campos do conhecimento científico que envolvem Jornalismo e as Tecnologias Digitais Conectadas durante o 8º Encontro Nacional dos Pesquisadores de Jornalismo (8º SBPJor), em São Luis, no Maranhão.


Sistemas computacionais, redes telemáticas, ensino, teorias e formatos de conteúdo foram os temas contidos nas discussões que delineiam novas tendências, rediscutem teorias e práticas no ensino no que tange à evolução dos conteúdos informativos de relevância social, contidos nas multiplataformas digitais conectadas viaWeb.

Nos assuntos pesquisados pelos autores neste se encontra a questão da relevância informativa por meio de sistemas de recomendação que estão alterando a percepção do usuário da Web; processo de produção jornalístico do ponto de vista das teorias do jornalismo; formatos de narrativas fotojornalísticas do New York Time.com; mensuração do grau da incorporação de questões tecnológicas nas grades de graduação em Jornalismo e o ensino de jornalismo-laboratório em uma perspectiva convergente.

Aos textos dos integrantes da mesa, juntam-se outros, pro duzidos por pesquisadores igualmente ligados à Rede JorTec, que fornece à publicação e aos leitores a densidade necessária para entender os impactos tecnológicos nos processos, produtos jornalísticos e seus efeitos na formação de um novo ecossistema midiático."